quarta-feira, 18 de junho de 2008

Fim dos Tempos, por Palloma


Pois é nerds, eu fui ver com toda a esperança Fim dos Tempos, porque eu esperava muito desse filme!

Tudo bem que a Dama da Água foi horrível e A Vila então nem se fala, mas eu realmente acreditei que esse seria o retorno triunfal de Manoj Nelliyattu Shyamalan ou simplesmente M. Night Shyamalan, o diretor Bollywoodiano consagrado com filmes como Sexto Sentido e Corpo Fechado.
Após o incrível “Sexto Sentido” afinal quem não se lembra da clássica frase do queridinho (hoje problemático e fracassado) Haley Joel Osment: “EU VEJO GENTE MORTA..... TODO TEMPO”, eu esperava no mínimo algo bom, afinal de contas o filme contava com Mark Wahlberg e um elenco pouco conhecido porem com ótimas atuações em outros trabalhos, entre outras “cositas más”.
O longa Fim dos Tempos (The Happening) mostra a revolta da natureza contra os seres humanos, fazendo com que as pessoas cometam suicídio.

Wahlberg nosso protagonista é um professor de ciências (bem sugestivo, não?!?) que junto com sua mulher, com quem tem problemas no casamento (não é relevante mas vale a pena citar porque é uma das poucas cenas engraçadas de fato no filme, o resto você ri porque pensa “Porque eu to aqui gastando meu dinheiro com isso?!?”), enfim Whalberg, Alma (sua mulher) e a filha do seu amigo (a garotinha q eu pensei ser o novo Osment... só pensei mesmo) vão tentar salvar suas vidas escapando da toxina ou conseguindo atuar em outro longa!

Shyamalan falha, quando não aproveita momentos no roteiro que poderiam de fato render cenas marcantes quem sabe históricas como no momento que estão perdidos e encontram um casebre com a velha mais sinistra e assustadora possível, as cenas de suicídios que deveriam ser melhor exploradas e o nosso Mark Whalberg que em momentos lembrava Zac Efron de tão caricaturizado em sua atuação.
O roteiro também falha, porque não faz sentido. O longa não explica ainda que brevemente fatos ocorridos e a edição ou mesmo a ligação entre os fatos não é bem compreendida, o filme simplesmente acontece, sem qualquer pretensão de entendimento ou indagações.

A direção falha, o roteiro falha, a atuação mesmo com Whalberg FALHA, mas o microfone..... esse nunca falha! Na maioria das cenas de diálogo em locais fechados quem estava lá protagonizando?!? Isso mesmo! O microfone serelepe, o bombrilzão tenebroso que toda hora surgia tirando gargalhadas dos presentes no cinema! A fotografia às vezes tão interessante, nos dando uma visão inovadora do cenário, (nas cenas de suicídio isso ficava bem evidente) se perdia quando ia em direção ao microfone.

A grande questão do filme não é o que causou a liberação das neurotoxinas ou porque Shyamalan perdeu a chance de fazer um grande filme.
A grande questão é : QUEM ESTAVA SEGURANDO O MALDITO MICROFONE?!?!?!?

*em algumas redes de cinema o microfone não aparece porque os operadores editaram cortando na parte superior um “pedaço”
Mas assistam nas redes que não cortam porque pelo menos você terá razão pra rir!
Quer saber?! Não assistam! Espera o DVD e em casa você vê!

Até a próxima meu povo nerd, espero que com um longa “melhorzinho”!

4 comentários:

Fábio disse...

So o comentario vale a pena!!!
eu msm vi o filme e naum gostei nem um poko!!!
hauhsuahuhsuahs
mas o comentario da palloma sem duvida ja fico melhor!!
o microfone, e verdade, muito serelepe!!!
hasushuahs


adoroo..

vlw!

Pamella B. disse...

É por essas e outras que eu não gosto dos lançamentos! UHsuhshshus. Ai, que misantrópica! Na verdade, esse filme nem me chamou atenção... mas a crítica, essa sim! Valeu pelo filme então já que todo mundo falhou! Palloma NUNCA FALHA! ushsuhsus

;***

luiz claudio disse...

Realmente o filme é horrível!!
Não gaste seu tempo nem dinheiro porque vai sair com uma sensação de "Cara... eu realmente gastei dinheiro pra ver isso ?? "
heaushesauashueas
mas o microfone mata qualquer um
arrancando varias risadas das pessoas.
Filme ruim, roteiro ruim e atuações ruins.

nada mais a declarar
vlws

Renata disse...

Quando vi um dos microfones pela primeira vez, ele estava tão evidente que pensei ser proposital, como se os personagens estivessem em uma simulação, algo do gênero Show de Truman, ou A Vila. A primeira cena em que se pode ver o microfone se passa justamente em uma casa cenográfica em que os personagens se escondem, onde tudo é de mentira, o que aumentou minhas esperanças por um final surpreendente. Mas não. O microfone aparece inúmeras vezes, o cinema todo fica rindo e xingando, e no final vi que era pura falta de capricho mesmo. Uma pena!